Curiosidades

Descoberto túmulo do zumbi na Alemanha! Conheça a história dos Revenants!

A descoberta de um túmulo de 4.200 anos em Oppin, Alemanha, revela práticas funerárias contra revenants, evidenciando o temor ancestral de mortos-vivos.

Por que nossos ancestrais temiam tanto os mortos? Em uma recente descoberta arqueológica em Oppin, Alemanha, exploradores encontraram um túmulo de 4.200 anos, apelidado de “túmulo do zumbi”, que lança luz sobre essa questão intrigante.

O perigo dos revenants

As práticas funerárias desse período revelam uma grande preocupação com os mortos-vivos. Essas figuras eram conhecidas como revenants. Dizia as lendas que os revenantes supostamente poderiam retornar para assombrar os vivos.

O medo de revenants, derivado do termo francês para “aquele que retorna”, estava presente em várias culturas antigas, mas o achado na Alemanha fornece uma visão concreta dessas crenças.

O corpo no túmulo foi enterrado sob um grande bloco de pedra, uma estratégia deliberada para impedi-lo de “ressuscitar”. Este homem, entre 40 e 60 anos, foi colocado deitado de lado com as pernas dobradas e uma pedra imensa pressionando suas pernas, evidenciando o esforço para mantê-lo no solo.

Imagem: Anja Lochner-Rechta/State Office for Monument Preservation and Archaeology Saxony-Anhalt/Reprodução

Susanne Friederich, líder do projeto de escavação, compartilha que o temor dos mortos escaparem de seus túmulos não é novidade e remonta até à Idade da Pedra. Segundo ela, algumas sepulturas mostram corpos posicionados de bruços ou até perfurados com lanças, fixados no chão para evitar que “subam à superfície”.

Veja:  5 características que as pessoas falsas conseguem esconder de todos

Este sítio arqueológico foi descoberto durante a expansão de uma rede elétrica e é um dos primeiros sepultamentos revenant identificados da cultura Bell Beaker na região central da Alemanha. Embora essas práticas sejam mais associadas à Idade Média, a descoberta em Oppin indica que tais rituais têm raízes mais antigas.

Esse achado não apenas agrega conhecimento às práticas funerárias da Idade do Bronze, mas também reflete sobre como o medo profundamente enraizado dos mortos moldou comportamentos e crenças antigas. À medida que os arqueólogos continuam a investigar esses locais, mais descobertas poderão nos dar mais pistas sobre as complexidades das crenças e dos medos humanos através dos tempos.

 

 

Julia de Almeida é uma redatora de conteúdo criativa, com mais de 5 anos de experiência em escrita para sites. Ela tem uma habilidade única para adaptar seu estilo de escrita a diferentes públicos e temas diversos. Ela é especialista em criar artigos…