Curiosidades

“Seahenge”: O que se sabe sobre o monumento antigo descoberto na Inglaterra?

O Seahenge, localizado na praia de Norfolk, Inglaterra, é um monumento da Idade do Bronze construído em 2049 a.C.

Na praia de Norfolk, Inglaterra, repousa uma estrutura com uma pretensão um tanto quanto curiosa de “capturar o verão”. Conhecido como “Seahenge“, esse monumento da Idade do Bronze, construído em 2049 a.C., foi meticulosamente projetado durante uma era de invernos rigorosos.

Para que serve o “Seahenge”?

Constituído por um toco de carvalho central e cercado por 55 troncos do mesmo material, o Seahenge era mais do que uma obra arquitetônica; era uma manifestação de esperança e resistência de povos humanos antigos.

Localizado originalmente em um pântano salino, protegido por dunas de areia e planícies de lama, o local oferecia condições ideais para preservar a madeira de decomposição através da cobertura de turfa. Com o passar dos milênios, lodo e areia se acumularam sobre o Seahenge, ocultando-o da vista e preservando seus segredos até sua descoberta recente.

Os troncos de Seahenge foram preservados através de técnicas inovadoras que substituíram a umidade das madeiras por cera, o que ajudou a manter a integridade dos materiais ao longo dos anos.

Veja:  Crise climática: Qual foi a maior temperatura registrada na Terra?

Uma pesquisa divulgada no GeoJournal lança luz sobre qual o motivo que levou a construção do Seahenge. O que se descobriu foi que ele foi erguido para alinhar-se com o nascer do sol no solstício de verão, um evento celeste que simbolizava a fertilidade e o renascimento.

A orientação do monumento sugere que ele servia como um medidor das mudanças climáticas, especificamente projetado para estender a estação mais quente e produtiva do ano e mitigar os efeitos de um clima adverso.

Imagem: Museu Lynn/Reprodução

Além de sua função como medidor climático, evidências apontam para a realização de rituais de sacrifício a cada oito anos, endossando sua importância espiritual. Essas celebrações não eram apenas culturais, mas também uma tentativa de influenciar o ambiente ao redor, numa época em que o homem ainda buscava entender e controlar as forças da natureza.

Atualmente, é possível visitar uma réplica e alguns dos troncos originais no Museu Lynn em King’s Lynn.

Julia de Almeida é uma redatora de conteúdo criativa, com mais de 5 anos de experiência em escrita para sites. Ela tem uma habilidade única para adaptar seu estilo de escrita a diferentes públicos e temas diversos. Ela é especialista em criar artigos…